Explosão em metrô de Londres deixa 22 feridos; polícia trata como terrorismo

Uma explosão dentro de um trem, que ia em direção à região central de Londres, deixou ao menos 22 feridos às 8h20 locais (4h20 no horário de Brasília) nesta sexta-feira (15). O incidente está sendo tratado como "ato terrorista" pelas autoridades britânicas.

Segundo informações do portal britânico The Guardian, a bomba estava dentro de uma sacola e explodiu apenas parcialmente, não causando mortes. A Polícia Metropolitana chegou à estação de metrô Parsons Green (District Line), no oeste de Londres , dentro de poucos minutos depois da explosão, disseram testemunhas.

As vítimas foram encaminhadas para quatro diferentes hospitais, que receberam alerta instantes após incidente. Os feridos na explosão não apresentaram quadro grave e ninguém está com risco de morte.

A investigação acerca do incidente terrorista está sendo liderada pelo Comando Anti-Terrorismo da Scotland Yard e envolve o MI5, que é o serviço de segurança do país. Os agentes estão em busca do responsável pelo ataque. Todos os suspeitos serão presos antes que possam atacar novamente.

De acordo com o Comissionário Assistente Mark Rowley, o explosivo é caseiro. "As investigações ainda estão sendo realizadas pelo Comando Anti-Terrorismo da Polícia Metropolitana e por uma equipe da Polícia Nacional Contra-Terrorismo, com colegas do MI5. Centenas de detetives estão envolvidos. Estamos olhando imagens de câmeras de segurança, fazendo uma investigação forense; além disso, entrevistas com testemunhas estão sendo realizadas no momento", afirmou.

O nível de ameaça ao terrorismo é estabelecido pelo centro de análise do terrorismo conjunto [JTAC], que faz parte do MI5. Nessas horas imediatas após o incidente no metrô , a ameaça permanece como "grave", o que significa que um segundo ataque é altamente provável. O nível máximo de alerta foi feito, pela última vez, em maio deste ano - permanecendo por dias - depois do atentado suicida no Manchester Arena.

Membros da equipe de segurança afirmaram à rede de TV CNN que havia um timer no dispositivo. Além disso, já ficou claro para os investigadores que a pretensão do terrorista seria a de causar um dano muito maior, mas o explosivo funcionou apenas parcialmente. Por enquanto, a polícia forense irá estudar os materiais utilizados na bomba caseira, o que pode dar pistas sobre os responsáveis por sua fabricação.

Autoridades condenam ataque

O prefeito da capital britânica Sadiq Khan condenou o ataque desta sexta-feira. Em entrevista à rádio BBC, ele afirmou que "investigações sobre responsável estavam sendo realizadas". E disse que não poderia dizer se existe um suspeito específico envolvido.

Além de Khan, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump escreveu em seu Twitter: "Outro ataque em Londres por um terrorista perdedor. Esses são pessoas doentes e dementes que estavam nas vistas de Scotland Yard".

Ataques à capital britânica

A explosão na estação de metrô Parsons Green é o quinto ataque terrorista a superar as defesas da Grã-Bretanha desde março de 2017. Dois atentados em Londres e um bombardeio em Manchester foram assumidos por terroristas ligados ao extremismo islâmico. Um ataque com uma van, em junho, foi realizada por motivações da extrema-direita.